Merlong Solano critica corte no orçamento das universidades federais

Categorias: Notícias

Screenshot_20180607-211541

O ex-secretário estadual de Governo e pré-candidato a deputado federal, Merlong Solano, retornou às salas de aula da Universidade Federal do Piauí (UFPI), onde é professor concursado, vinculado ao Departamento de História.

De volta à universidade desde o mês de abril, o docente comentou o desmonte das universidades federais, em virtude dos cortes no orçamento para as instituições de ensino superior. “No planejamento do governo federal em 2018, o orçamento previsto é de apenas R$ 5 bilhões para universidades, enquanto em 2017 foi de R$ 8 bi e de R$ 15 bi em 2015, uma queda progressiva”, destacou Merlong.

O professor afirmou que retorna à UFPI em um momento em que a instituição está preocupada com a sua sustentabilidade financeira e sua autonomia didático-pedagógica. “Esta mesma universidade teve uma enorme oportunidade de expansão ao longo dos governos Lula e Dilma, quando foram ampliados os números de vagas nas graduações e nas pós-graduações, em termos de mestrado e doutorado, além de ter tido a oportunidade de realizar mais pesquisas e projetos de extensão”, frisou.

Segundo Merlong, as universidades federais se encontram preocupadas se terão garantia de manter suas atividades básicas, em razão da enorme redução do orçamento e das prioridades do governo Temer, uma vez que os gastos públicos foram congelados por 20 anos em áreas essenciais, como educação, saúde e segurança. “A Emenda Constitucional do Teto de Gastos só limita os gastos primários (com pessoal, custeio e investimento), no entanto, não limita os gastos com o pagamento da dívida pública, que seguem crescendo”, reforçou.

Trajetória

Merlong Solano ajudou a fundar o Centro Acadêmico de História e o Centro Acadêmico de Economia, enquanto aluno das duas graduações. Participou, no início dos anos 80, dos movimentos pela redemocratização do Brasil.

“Foi uma época de grandes lutas em que a universidade se integrou ao conjunto da sociedade brasileira para reconstruir a democracia. O que nós temos hoje é um quadro de retorno a um ambiente que exige a remobilização da universidade em defesa da nossa democracia”, salientou o pré-candidato a deputado federal.

Deixe uma resposta